este

src="http://www.google.com/friendconnect/script/friendconnect.js">

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

PATOS - PARAÍBA

UM REGISTRO HISTÓRICO


José Ozildo dos Santos

A
 fundação do núcleo humano, origem da atual cidade de Patos, remota à segunda metade do século XVIII e este fato deve-se a Paulo Mendes de Figueiredo e João Gomes de Melo, que juntamente com suas esposas, aos 26 de março de 1766, doaram as terras necessárias para a constituição do patrimônio da futura capela de Nossa Senhora da Guia.
              Em 1772, a referida capela já estava concluída, marcando a fundação da ‘Povoação dos Patos’, que, adquirindo delineamento urbano, tornou-se sede da Freguesia de Nossa Senhora da Guia, a 6 de outubro de 1788. Seu território, foi desmembrado da Matriz de Nossa Senhora Santana, sediada na antiga Vila Nova do Príncipe, atual cidade de Caicó, no vizinho Rio Grande do Norte (e não da de Pombal, como até agora vem sendo divulgado).

Catedral de Nossa Senhora da Guia - Patos - PB

            A exemplo da maioria dos núcleos urbanos do interior, a pacata povoação dos Patos, permaneceu mergulhada no esquecimento durante os últimos lustros do século XVIII. 
            No início do século seguinte, o principal fato ocorrido nela foi a passagem de Frei Caneca por seu território. Em Patos, o mártir da Confederação do Equador, que aqui chegou na tarde do dia 7 dezembro de 1824, na companhia de alguns confederados, aprisionado e escoltado por um pelotão das forças legais à Coroa, foi bem recebido pelo Vigário Antônio da Silva Costa, que hospedou-o com muita afabilidade, seguindo a tradição da época.
            A emancipação política de Patos, ocorreu em 9 de maio de 1833, quando, por Resolução do Conselho da Província, a referida povoação foi elevada à categoria de município com a denominação de ‘Imperial Vila de Patos’, desmembrando-se da Vila de Pombal.  Assim, conquistada sua autonomia, Patos passou a ter Conselho Administrativo próprio, oficialmente instalado a 22 de agosto daquele ano.
            Em 1839, a referida vila recebeu a primeira visita episcopal, realizada por Dom João da Purificação Marques Perdigão, bispo de Olinda, a cuja diocese era subordinada a Paraíba. Dezesseis anos mais tarde, a Imperial Vila de Patos sofreu os efeitos maléficos da epidemia do ‘cólera morbus’, que vitimou 24 pessoas. Este fato, impôs à população a necessidade de construir seu primeiro cemitério, cuja benção deu-se no dia 19 de janeiro de 1857, em solenidade promovida pelo Vigário Manoel Cordeiro da Cruz.
            Aos 8 de outubro de 1860, a futura ‘Capital das Espinharas’ recebeu a visita do Presidente da Província, Dr. Luís Antônio da Silva Nunes, que foi o primeiro governante da Paraíba a visitar os sertões. E, como termo judiciário, Patos integrou a Comarca de Pombal até 29 de outubro de 1864, quando passou a pertencer à unidade judiciária de Teixeira (Lei Provincial nº 139). Mais tarde, a referida comarca foi transferida para Patos, que foi sede judiciária de 26 de novembro de 1875 a 18 de fevereiro de 1879, quando o referido juizado retornou à Vila do Teixeira.
           Logo após a Proclamação da República, no Governo Álvaro Machado - I, foram criados os Conselhos Municipais que passaram a desempenhar a gestão administrativa dos municípios paraibanos (Lei nº 9, de 17 de dezembro de 1892). Assim, em princípios de 1893 (e não em 1897, como até agora vem sendo divulgado), aquele governante designou o senhor Constantino Dantas Correia de Góis para ocupar o cargo de Presidente do Conselho Municipal da Vila de Patos.
           Em 1895, criado o cargo de prefeito municipal (Lei nº 27, de 2 de março), Constantino Dantas foi mantido à frente da administração local, tornando-se o primeiro prefeito patoense. E, embora o referido cargo tenha sido extinto em 25 de outubro de 1900, aquele senhor administrou a cidade de Patos até 2 de dezembro de 1904, na condição de Presidente do novo Conselho Municipal e não como interventor, como afirmam alguns pesquisadores. Para substituí-lo, foi designado o senhor Sizenando Flórido de Sousa, cuja nomeação marcou o início da ascensão da família Sátyro, no cenário político municipal.
            Pela Lei Estadual nº 200, de 24 de outubro de 1903, a Vila de Patos foi elevada à categoria de cidade. Na época, o referido município era representado na Assembléia Legislativa pelo deputado Leôncio Pereira Monteiro Wanderley. No entanto, para facilitar o tramite nas comissões parlamentares, o projeto que deu origem aquela lei foi apresentado pelo deputado José Campelo de Albuquerque. Aprovado e sancionado pelo Dr. José Peregrino, Presidente do Estado (nascido no antigo território da Freguesia de Nossa Senhora da Guia) e pai do médico de igual nome, futuro dirigente do município de Patos.
            Atualmente, Patos comemora seu primeiro centenário de elevação à condição de cidade. São cem anos de trabalho, de dedicação e amor, de um povo forte, que ficarão na HISTÓRIA.


Patos, 24 de outubro de 2003.


3 comentários:

  1. OLA EU TAMBÉM SOU DESCENDENTE DA FAMÍLIA DANTAS, ME CHAMO EULINA DANTAS CAXIAS, SOU FILHA DE MANOEL MARINHO DANTAS, E TEREZA DANTAS, NETA DE CELESTINA FERREIRA DANTAS E MARINHO FERREIRA DANTAS,E COMO IRMÃO OTÁVIO FERREIRA DANTAS,TINHAM COMO SOBRINHO, GERALDO DANTAS ROLIM E JOSE CLAUDINHO DANTAS ROLIM, MARIA SANTINA CHAVIER,A ONDE ELES RESIDIAM EM, CAJAZEIRAS PARAÍBA RUA JUVÊNCIO CARNEIRO N:100 GOSTARIA DE ENTRA EM CONTATO COM OS MEUS FAMILIARES,RESIDO EM BELÉM DO PARA CASO VC FAÇA PARTE DESSA FAMÍLIA,OU TENHA ALGUMA INFORMAÇÃO POR FAVOR ENTRA EM CONTATO:email(tamerasantos@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. José Ozildo, é Paulo Dantas de Jundiaí, Colégio Agrícola

    ResponderExcluir
  3. Eu sou neto de Maria Vieira dantas você ouviu falar? Ela morava no espírito santo cazada com Manuel Moreira Dias

    ResponderExcluir

PESQUISA NO SITE